[os russos atacam novamente]

morri. beijos.
amor compartilhado pelo livreiro daniel aliano 

cenário: do lado de fora da livraria, uma bela tarde de sol. do lado de dentro, livreira está milagrosamente parada no terminal de consulta no meio da loucura que quem é livreiro já conhece: uma propsta jk, 50 anos em 5. para quebrar o gelo, eis que chega a freguesa do dia, e ela chega chegando:

freguesa: boa tarde, você tem 'crime e castigo' em inglês?

(pra ajudar, só consta um exemplar no sistema. bóra procurar o danado, então. depois de dez minutos de procura frenética e muitos 'só um instante que eu já te ajudo', nada do livro)

livreira: olha, moça, tá muito difícil de encontrar, pois só temos um exemplar... não pode ser em português? a tradução desta edição está excelente.

freguesa (irredutível): não!, quero ler em inglês.

livreira: e a senhora não gostaria de fazer uma encomenda? chega na terça-feira (era sábado).

freguesa (mimimi): não, quero ler hoje!

(resignada, livreira continua a busca, afinal era um dostô! depois de mais alguns minutos e uma boa investigação, encontro o livro no setor de administração e levo triunfante para a freguesa)

freguesa: ai, menina, que maravilha! que bom que você encontrou! sabe, fiquei tentada quando você me falou dessa tal tradução, mas eu acho que é sempre bom ler os clássicos no original, né?

manual prático de bons modos em livrarias: verdade.

35 comentários:

  1. ah, vai, gente, é um erro compreensível! esses nomes terminados em -vsky têm toda a pinta de americanos!

    ResponderExcluir
  2. ui... nada como ler no original. Entendo...

    ResponderExcluir
  3. Morto e enterrado com essa. Sem mais.

    ResponderExcluir
  4. Próximo best seller: Quando Dostoievski chorou. Imperdível, do original em inglês!

    ResponderExcluir
  5. Natália, ignorância grátis é uma coisa, mas arrogância grátis é indigesto demais!

    ResponderExcluir
  6. pior é quando a gente procura o livro feito um condenado (trabalho em livraria há 8 anos e já passei por muitas situações como essas), pergunta a todos os vendedores (inclusives aos que trabalham na seção infantil!), coloca a livraria de cabeça pra baixa, busca atrás das estantes, vai ao balcão onde estão separadas as reservas,faz quase um apcto com o demônio para o livro aparecer, e eis que, tcharam, o livro aparece. você, vendedor atencioso e vencedor, vai todo feliz e o entrega ao cliente, e ele olha para o lviro, feliz da vida, pois você o encontrou. pega o livro, olha de um lado e do outro, passa umas páginas, lê umas frases soltas, depois o devolve e solta a clássica: "obrigado. eu só queria dar uma olhada e ver se tinha realmente o livro".
    a vontade que nós, livreiros, temos, é de pegar o livro mais pesado da livraria (algum de tarde, desses completos da obra de determinado artista) e jogá-lo na cabeça do dito-cujo-cliente!

    ResponderExcluir
  7. Natália, please, não piora tentando ajudar!!!! Se tem algum americano chamado -sky é porque ele muito provavelmente descende de poloneses, como o próprio Dostô. Esses nomes são tipicamente eslavos. Pensar que Crime e Castigo foi escrito por um americano é quase uma ofensa, eles não teriam tanto fosfato, ainda se você dissesse um britânico...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ironia... a gente não entende por aqui...

      Excluir
    2. Ironia... A gente não entende por aqui!

      Excluir
    3. Ironia... a gente não entende por aqui...

      Excluir
  8. esses nomes terminados em -vsky têm toda a pinta de russos!

    ResponderExcluir
  9. hahahahahahahahahahaha gente morri de rir...

    Minha prima conta que na primeira aula do curso dela de graduação em ciências sociais um esnobinho desse tipo disse que era fluente em alemão, portanto para que o professor passasse as referências de Durkheim no original... hahahahahaha

    Pelamor, na era do Google, meu povo; CUSTA olhar antes? rs

    ResponderExcluir
  10. Eu acho que a Natália foi BEM irônica no comentário.

    ResponderExcluir
  11. HUAHUAHUHAUHAUHAU quero ler Weber em francês, Saramago em espanhol, Gracia Marquez em tcheco e Fitzgerald no bom e velho original (alemão? kkkk)

    ResponderExcluir
  12. Provavelmente em uma livraria na Rússia, ela pediria um livro de Paul Rabbit escrito em brasileiro.

    ResponderExcluir
  13. Jesus na cruz Érika! A Natália usou aquela figura de linguagem, a ironia!

    ResponderExcluir
  14. Jesus na cruz, Érika! A Natália usou aquela figura de linguagem, a ironia!

    ResponderExcluir
  15. cara, trabalhei muitos anos atendendo essas mulas...não é fácil, a vontade é de sentar um 'Ulysses' na cabeça da infeliz...mas um 'Ulysses' na lingua original; em espanhol!!

    ResponderExcluir
  16. Alguns comentários viraram uma espécie de bônus. A Natália fez uma brincadeira e a manezada achou que ela tava falando sério. hehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comentários são sempre um bônus nessas selvas internéticas...

      Excluir
  17. O próximo livro que ela vai pedir em inglês pra ler no original é do Kafka.

    ResponderExcluir
  18. O próximo livro que ela vai pedir em inglês pra ler no original é do Kafka.

    ResponderExcluir
  19. A arte de entender irônia na internet, uma habilidade para poucos....

    ResponderExcluir
  20. U__________________________________U' CHEGA DE INTERNET POR HOJE!

    ResponderExcluir
  21. A pretensão inicial destrói qq simpatia pela ignorância.

    ResponderExcluir
  22. Muito bom! Qq simpatia pela ignorância é esmagada pela pretensão inicial.

    ResponderExcluir
  23. Dostoievski se remexendo no túmulo!

    ResponderExcluir

<< >>