[julho. ou mês de férias das crionças]



mês de férias dascriança e, viva, todo mundo vai viajar? claro que não. passar as tardes na livraria, além de divertido (tem coisa mais legal do que irritar livreiro, tirando TUDO do lugar, como se fosse uma brinquedoteca?), sai bem mais barato do que mandar os pentelhos para o o fantástico mundo de beto carreiro. sendo assim, a gente preparou um post especial para alguns pais que perdem a noção de delírio. um beijo pra vocês, seus loucos. bóra lá:

1) não, você não pode deixar seu filho sozinho na livraria e sair para fazer as unhas ou levar o carro ao mecânico. por mais seguro que pareça, não faça isso. os anões que atualmente trabalham conosco são, na verdade, crianças abandonadas pelos pais;

2) por mais que seja delicioso, livro não é comida. então, por favor, alimente seu filho antes de sair de casa e não permita que ele engula (literalmente) as obras do setor infantil. gases literários são insuportáveis, vai por mim;

3) a gente sabe, livros infantis são incríveis! só que livraria não é loja de brinquedo, então, bóra ensinar o seu filho que não pode estragar o livro? bóra ensinar que livro é sagrado e que a tia da livraria é amiga do velho do saco e dá o nome da criança que rasga livro p'ra ele?;

4) tia é o cacete. "eu não sou irmã da sua mãe nem do seu pai";

5) não, seu filho não pode fazer xixi na nossa lata de lixo nem você pode trocar a fralda dele no meio da livraria. assim, poder pode, mas vamos combinar que cheiro de livro é melhor que cheiro de cocô de abacate? vamos;

6) todo livreiro é lindo e simpático, mas isso não nos torna monitores de área de recreação infantil. não pode cuidar do seu filho? a gente também não (♥).

manual prático de bons modos em livrarias: aprendeu? ótimo. agora é só imprimir, distribuir prazamiga, e aproveitar as férias!

16 comentários:

  1. Oi, eu de novo! Desculpa, mas é complicadíssimo ler isso, sendo mãe de filho leitor. Concordo plenamente que livraria não é hotelzinho, não se pode deixar a criança sozinha lá. E também não dá pra deixar as crianças estragarem livros, mas nem sempre a mãe consegue evitar...

    Como eu acredito que os livros infantis devam vender muito bem, mais até que aqueles para adultos, acho que não é muito custoso ter um livro "amostra", mordível, estragável e outros embrulhadinhos para se vender. E se o movimento de bebês está grande em um mês, dá pra dar uma improvisada e arranjar um cantinho pra trocar fraldas meio longe da multidão...

    tem coisas realmente divertidas aqui no blog, mas outras parecem puro mimimi!!!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Eu não tenho nada contra os "mimimis", até porque o Blog tem um tom de humor um tanto óbvio, né? Ok, humor na tragédia, mas as histórias daqui são engraçadas...

    ResponderExcluir
  4. a coisa q eu mais amava quando era pequena era ir à livraria Criação, uma loja mínima e encardida em Copacabana. lá podia tudo. não que eu fosse uma criança mal educada, nunca rasguei nem comi nada. eu sentava no chão com uma pilha de 20 livrinhos e passava horas lá lendo de graça <3

    ResponderExcluir
  5. cantinho no infantil pra trocar fralda é mimimi?
    Pq, né, criança não precisa de privacidade... ficar arreganhada no meio da galera é ok. E o cheiro da fralda nunca incomoda... Magina. Para isso tem banheiro, com trocador?

    ResponderExcluir
  6. AI pelo amor, que pais sem noção -_-'! É mais fácil mesmo jogar as crianças pros outros cuidarem. nem trabalho em livrarias e nem em atendimento ao publico, mas poxa, é claro como o dia como falta respeito e noção da maioria das pessoas

    ResponderExcluir
  7. Nossa, essa Sharon é ridícula, se você achou a leitura complicadíssima, o problema não está no texto, está na sua falta de educação. Porque o que está escrito aqui é apenas o ÓBVIO, o MÍNIMO. Se você não tiver controle o suficiente para impedir o seu filho de destruir os produtos que os livreiros estão tentando vender, então vá lá e PAGUE o produto estragado, meu bem! Ou se não tem capacidade para disciplinar uma criança, não põe filho no mundo, pra ser um mal-educado.A Saraiva por exemplo tem muito mais de 3 mil livros cadastrados no setor infantil, vc quer um exemplar de amostra de cada de que jeito???? Isso é idéia de quem não faz a mínima noção de como uma livraria funciona, como um estoque funciona, como uma editora funciona...

    ResponderExcluir
  8. Olha, a maior parte das grandes livrarias, hoje em dia, fica em shoppings ou centros comerciais. E todos eles tem fraldários.
    O que a Hillé falou aqui é o mínimo do bom senso. Falo como mãe de um guri de 3 anos que não pode ver livro, adora. Mas ele sabe que o livro da livraria não é como o de casa. Que é pra olhar com cuidado e colocar de volta no mesmo lugar. Não é difícil de ensinar, não.

    ResponderExcluir
  9. Esse povo que troca fralda de criança no meio da livraria faz o mesmo quando vai ao restaurante?
    Concordo que livro é sagrado, minha filha não estraga livros nem em livraria e nem em casa. E isso não reduziu sua fome de leitura.

    ResponderExcluir
  10. É o mínimo, né?! Minha sobrinha tem 9 anos e desde bem novinha frequenta livrarias e adora! Nunca tivemos problemas ou fomos chamados a atenção por causa de mau comportamento dela, que é uma criança super "ativa", pra não dizer pior, e em casa é super bagunceira. Mas aí é o exemplo e a postura dos pais que definem se o filho vai morder, comer, rasgar um livro que não é dele! O pai que troca a fralda do filho no meio de uma livraria lotada no mínimo tá ensinando a ele que é normal mijar na lixeira, na rua, em qualquer canto, como se fosse um cachorro (que inclusive se ensinados NÃO o fazem em qualquer lugar).

    ResponderExcluir
  11. Que comentário ridículo o da Sharon! Patético! Por isso o filho dela estraga os livros! A "mamãe" acha normal! A livraria não só tem que ter estoque para vender como ainda tem que ter produto só para as criancinhas mal educadas que nem bestas selvagens saírem destruindo a rodo! [Até por uma questão de higiene você NÃO deveria deixar seus filhos porem a boca nos livros!! Eca, todo mundo coloca a mão ali!] Como alguém pode ser tão sem noção? Se você quer que seu filho seja um bom leitor, o ensine a cuidar de livros, faça o favor! "Mimimi" é levar o filho mal educado para detonar os livros e achar ruim quando reclamam do comportamento dele!

    ResponderExcluir
  12. Hum, Sharon é do tipo que liga o foda-se quando sai com os filhos. Imagina longe deles!!! Ui garota!

    ResponderExcluir
  13. Acho que as pessoas em geral foram bastante grossas ao responder o comentário da Sharon. Em momento algum ela disse que é o tipo de mãe que troca a fralda do filho na livraria ou faz qualquer uma daquelas atitudes non-sense que a Hillé descreveu.
    Eu não acho sensato trocar a fralda de uma criança em plena livraria (ou qualquer outro lugar público que não seja destinado para essa função), e concordo que, de maneira geral, uma criança que é bem educada em casa não sairá destruindo e rasgando livros pela livraria como se tudo aquilo lhe pertencesse. Mas acho que o que Sharon quis destacar é que boa parte dos leitores desse blog são pessoas jovens e que nossa ótica sobre determinadas situações é bastante influenciada pelas nossas vivências de até então. Por vezes observamos uma situação e logo imaginamos seu contexto ("Pais que não dão limites aos filhos! Crianças mimadas!"), mas não conseguimos nem sequer supor que talvez ali haja muitas outras circunstâncias em jogo: por vezes uma deficiência mental, uma criança com problemas sérios de ansiedade dentre tantas outras coisas possíveis.
    Por fim, o que ela disse sobre as livrarias deixarem à disposição exemplares próprios para crianças é algo tão comum! Não sei onde Sharon mora, muito menos os leitores do blog, mas ao menos na minha experiência é algo comum haverem livros dispostos justamente para a distração das crianças, seja na forma de leitura ou de alguma atividade lúdica. Será que eu sou a única que já vi giz de cera, folhas sulfite, canetinha e oficinas de arte em livrarias? Óbvio que há livrarias e livrarias.
    Acho válido ainda lembrar que crianças pequenas ainda em fase de alfabetização tem uma relação muito diferente com a "leitura" do que nós, adultos e até mesmo crianças um pouco mais velhas. Ela tocam o livro, o sentem através de cada um dos sentidos - e, infelizmente, o paladar também é um sentido. Daí vale o bom senso dos pais, de não somente não deixarem uma criança tão nova sozinha, mas também de orientarem as crianças da forma como devem se portar na livraria.

    Enfim, bom senso é tudo. E mais amor galera, vocês estão com muito ódio no coração de vocês!!!

    ResponderExcluir
  14. E o que fazer quando o "serumano" já tem vinte anos de idade e continua babando (metaforicamente, claro) nos livros da seção infantil? D:

    ResponderExcluir
  15. Eu trabalho no setor infantil de uma livraria famosa e vamos combinar tudo isso eh bem útil ....pq realmente os pais fazem tudo isso... e não adianta falar q não ...eh a mais pura falta de educação e respeito...então pais borá tomar conta direito dos seus filhos e dar educação para eles??? Isso ajuda muito...pq para que serve querer tornar seus filhos grandes leitores se nem se quer educam eles?? Fica a dica.

    ResponderExcluir
  16. É óbvio que a tal Sharon não trabalha nem nunca trabalhou em uma livraria. Deixem ela um mês, o de julho de preferência, com crianças correndo a sua volta, estragando livros e fazendo xixi na lixeira...vamos ver se ela não vai ficar de mimimi como ela define.

    ResponderExcluir

<< >>